projeto original

Convivemos com clichês, fórmulas e estereótipos. Em alguns casos, trata-se mais de elementos da língua(gem). Em outros, trata-se de construtos histórico-sociais – pensam-se frequentemente os grupos humanos por meio de estereótipos, o que frequentemente condiciona discursos na política, na literatura, na publicidade, na escola, ao mesmo tempo em que é nesses lugares que eles surgem e se mantêm. As fórmulas circulam muito mais do que se imagina, talvez. E numerosos discursos se fundam em estereótipos.

Mas não só os discursos atuais estão cheio de fórmulas – clichês, slogans,
provérbios, lugares comuns. Desde sempre, “frases” foram separadas de seus contextos ou co-textos e proferidas isoladamente, como se fossem enunciados acima e fora dos textos comuns – sejam esses textos literários, religiosos, políticos, científicos, filosóficos.

O fenômeno sempre ocorreu, mas talvez se tenha intensificado no mundo
contemporâneo. A mídia é talvez seu principal veículo: manchetes, “olhos”, frases da semama… O que Maingueneau chamou destacabilidade, e seu correlato, a enunciação aforizante, é um fenômeno discursivo que será considerado de forma particular.

A relação entre língua, ideologia e sociedade é freqüentemente de mão dupla/tripla. Um estereótipo social pode ser crucial para um texto, um texto pode seguir ou ser uma fórmula.

Assim, estamos convictos de que dedicaremos a um tema múltiplo, por um lado, e extremamente significativo, por outro.

OBJETIVOS
Gerais
Analisar a inter-relação entre os textos-fórmula (provérbios, adivinhas, piadas, aforismos, clichês, idiomatismos), bem como suas relações com a exterioridade lingüística, vale dizer, fenômenos histórico-sociais.
Reunir pesquisadores de diversas instituições interessados em desenvolver pesquisas em torno das questões mencionadas, e sob diversos enfoques.

Específicos
Estudar as condições de funcionamento dos textos-fórmula, especialmente sua ligação com as “verdades” correntes, por um lado, e como pretensas formulações de verdades, por outro.
Estudar os clichês, lugares de sentido estabilizado, derivados dos textos-fórmula.
Estudar a ligação entre estereótipos e humor.
Estudar a relação entre ethos e estereótipos.

Estudar os idiomatismos, lugar de relação particular entre forma e sentido.
Estudar os slogans, textos-fórmula que se fundam em ou impõem verdades comuns.

parecer de aprovação

pareceres sobre relatório trienal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *