Sobre o grupo de pesquisa

Kaliban é um centro de pesquisa situado no Departamento de Teoria Literária da Unicamp, liderado pelos Professores Alfredo Cesar Melo e Elena Brugioni e que procura examinar as interseções entre estudos pós-coloniais e literatura mundial. 

A parte dedicada aos Estudos Pós-Coloniais do Kaliban tem a urgente tarefa de contribuir para a provincianização dos estudos pós-coloniais, isto é, a tarefa de compreender as várias reflexões críticas sobre os efeitos do colonialismo, em suas diferentes configurações históricas e políticas, como um arquivo de saberes pós-coloniais (com potencial descolonizante), que deve estar à disposição de todos, sem modelos normativos centrados em países específicos a serem seguidos – o que inevitavelmente estabeleceria uma hierarquia entre experiências coloniais –, nem tampouco devemos estimular a reprodução da divisão internacional do conhecimento, na qual ao centro compete teorizar e à periferia cabe o papel de objeto a ser teorizado. É preciso encontrar uma tensão dialógica entre os diferentes modos de pensar o pós-colonial ao redor do globo, que são a um só tempo desiguais e combinados, diferentes e familiares, singulares e conectados. Só provincianizando esses saberes temos melhores condições de acolher os  diversos gestos críticos  pós-coloniais que tratam das experiências latino-americanas (incluindo a brasileira), africanas, árabes, caribenhas, sul-asiáticas.

Por sua vez, a parte dedicada aos estudos da Literatura Mundial do Kaliban também tem uma tarefa desafiadora no campo intelectual brasileiro: alargar a concepção de mundo numa tradição intelectual como a brasileira, na qual muitas vezes as cartografias literárias e epistemológicas ficam presas num confinado espaço entre o narcisismo nacionalista da tradição literária brasileira e o edipianismo eurocêntrico, repleto de um afetado cosmopolitismo, restrito aos países do Norte Atlântico, que a bem da verdade não se interessa pela diversidade do mundo.

De um modo mais amplo, podemos dizer que o Kaliban pretende ser um centro de pesquisas que tenha como pressuposto geopolítico um mundo mais vasto, cujos diferentes espaços não serão vistos como “áreas” a serem mapeadas por uma teoria central, mas como lugares de produção de conhecimento, reflexão e narrativas. 

Pesquisadores

Participantes internos (IEL/Unicamp)

Alfredo Cesar Melo. Professor Doutor do Departamento de Teoria Literária. Trabalha com temas variados: romance experimental, ensaísmo brasileiro, intersecções entre pensamento social brasileiro e literatura brasileira moderna, política da memória, estudos pós-coloniais, metáforas de negociação cultural (antropofagia, “transculturación”), comparações entre ensaísmo brasileiro e latino-americano e as relações culturais e literárias entre Brasil e países africanos de literatura de língua portuguesa.

Elena Brugioni. Professora Doutora do Departamento de Teoria Literária. Publicou e desenvolveu pesquisas nas áreas de Literaturas Africanas Comparadas, Estudos do Oceano Índico (Indian Ocean Studies), Teoria Pós-colonial e Literatura Comparada. Seus atuais interesses de pesquisa se debruçam sobre cartografias literárias e paradigmas críticos para o estudo das literaturas africanas contemporâneas e narrativas visuais em perspetiva pós-colonial comparada.

Mariana Peceguini Ruggieri. Pesquisadora Pós-doc em Teoria e História Literária com o projeto “Questões em torno de uma poética zapatista” (Fapesp). Foi pesquisadora visitante na Universidad Nacional Autónoma de México (2016) e na University of Michigan (2012).

Fernanda Bianca Gonçalves Gallo. Pesquisadora Pós-doc em Teoria e História Literária com o projeto “João Paulo Borges Coelho e Ungulani Ba Ka Khosa: diálogos entre literatura e narrativa histórica em Moçambique” (Fapesp). Atua nas áreas de história, antropologia, patrimônio cultural imaterial e literatura, com ênfase no continente africano, a exemplo de Moçambique, país onde realizou pesquisa de campo entre os anos 2012-2016 e desenvolveu projetos artísticos como o vídeo documentário “Na Rota Da Marrabenta: Música moçambicana em Movimento” (2014).

Marcelo Freddi Lotufo. Pesquisador Pós-doc em Teoria e História Literária com o projeto “A crítica literária brasileira e a literatura mundial: do romantismo aos dias de hoje” (Fapesp). Foi leitor de literatura inglesa na Universidade da Borgonha, França, e pesquisador visitante no Instituto Ibero Americano, em Berlim. Seus interesses são romantismo, literatura comparada, literatura latino americana, literatura brasileira, poesia contemporânea e tradução. 

Felipe Bier. Pesquisador Pós-doc em Teoria e História Literária com o projeto “O mal estar na tradição: Vidas Secas e as metamorfoses do sertão” (Fapesp). Tem interesse nas seguintes áreas: literatura brasileira, literatura sobre o sertão, teoria da literatura, história do romance burguês, marxismo e literatura, pensamento social brasileiro, psicanálise.

Rodrigo Octávio Águeda Bandeira Cardoso. Doutorando em Teoria e História Literária com o projeto “Políticas do primitivismo na América Latina” (Capes). Realizou um período sanduíche na University of California, Los Angeles. Pesquisa questões de estética e política, modernismo e vanguarda no Brasil e na América Latina, indigenismo e tradução.

Karen de Andrade. Doutoranda em Teoria e História Literária com o projeto “Tradução comentada de Myth, Literature and the African World de Wole Soyinka” (CNPq). Atua nos campos das Literaturas Africanas e Estudos de Tradução (Translation Studies), com ênfase na Teoria Pós-colonial, pesquisando como se dá a relação entre formas dramáticas africanas e afrodiaspóricas com a mitologia ritual Yorubá. Tem experiência em Tradução Teatral. Outras áreas de interesse são: Literatura Comparada, Teoria Literária, Literatura Nigeriana e Tradições Cênicas Orientais.

Bruna Dias Guimarães. Doutoranda em Teoria e História Literária com o projeto “Gilberto Freyre e o cosmopolitismo como ponta de lança” (Capes). Possui graduação e mestrado em Ciências Econômicas.

Floriza Fernandes. Mestranda em Teoria e História Literária com o projeto “A Diáspora do Crespo:  Esse Cabelo e a Literatura Pós-Colonial Portuguesa”.  Graduada em Letras, é professora e pesquisadora com interesse nos Estudos Literários voltados à Literatura Africana, à Literatura de Diáspora e aos Trânsitos Literários feitos por Literaturas Pós-Coloniais  em caráter mundial.

Maurício Gabriel dos Santos Nascimento. Mestrando em Teoria e História Literária com o projeto “Quarto de Despejo & Sala de Visitas: Carolina de Jesus, Intérprete extraordinária do Brasil” (CNPq). Professor, pesquisador e militante com interesse e atuação nas áreas de linguagem, literatura, educação, raça, sexualidade e gênero.

Angelo Gabriel Uehara Ardonde. Mestrando em Teoria e História Literária com o projeto “Entre o democrata radical e o protofascista: a figura de Sérgio Buarque de Holanda na recepção crítica de Raízes do Brasil por Antonio Candido e Jessé Souza” (Fapesp). No campo da história das ideias, desenvolve uma pesquisa sobre a recepção crítica do ensaio “Raízes do Brasil”, de Sérgio Buarque de Holanda, com foco no projeto intelectual de Antonio Candido e Jessé Souza.

Gabriela Beduschi Zanfelice. Mestranda em Teoria e História Literária. Foi bolsista de Iniciação Científica FAPESP, tendo desenvolvido parte de suas atividades de pesquisa na  Universidade de Warwick (UK). Traduziu a obra Desenvolvimento combinado e Desigual: Por uma nova teoria da literatura-mundial (WREC, 2020), publicada pela Editora da Unicamp. Atua nos campos de Literaturas Africanas e Literatura Comparada, com ênfase nas áreas de Literatura Moçambicana, Estudos do Oceano Índico (Indian Ocean studies), Literatura-Mundial e Teoria Pós-colonial.

Ana Luíza Vieira Kehdi. Graduanda em Letras. Realiza Iniciação Científica com o projeto “Orientalismo à brasileira: o pós-colonial em Clarice Lispector” (Fapesp), em que investiga, a partir do conto “A menor mulher do mundo”, diferentes configurações pós-coloniais ao redor do globo. Atua nos campos literatura brasileira e literatura comparada, com ênfase na Teoria Pós-colonial, Literatura-Mundial e Estudos brasileiros.

Laura Armbrust Castanho de Mello Arruda. Graduanda em Letras. Realiza investigação científica com o projeto “A pedagogia progressista na literatura de Graciliano Ramos”.

Luís Fernando Moreira da Costa. Graduando em Estudos Literários. Realiza Iniciação Científica com o projeto “Viver é muito perigoso: A simbologia do diabo em Grande sertão: Veredas” (SAE). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em literatura brasileira.

Participantes externos

Anita Martins Rodrigues de Moraes. Professora Doutora de Teoria da Literatura no Departamento de Ciências da Linguagem da Universidade Federal Fluminense (UFF). De suas publicações, destacam-se os livros Para além das palavras: representação e realidade em Antonio Candido (Editora da Unesp, 2015) e O inconsciente teórico: investigando estratégias interpretativas de Terra Sonâmbula, de Mia Couto (Editora Annablume/ FAPESP, 2009). Publicou recentemente a antologia O Brasil na poesia africana de língua portuguesa (Editora Kapulana, 2019), organizada em parceria com a professora Vima Lia Martin (USP).

Marcos Piason Natali. Professor Livre-Docente de Teoria Literária e Literatura Comparada da Universidade de São Paulo (USP). Foi professor e pesquisador visitante na UNAM (México) e na UAM (Azcapotzalco-México). Publicou o livro “A política da nostalgia: Um estudo das formas do passado” e estudos sobre Roberto Bolaño, Jacques Derrida, Juan Rulfo, José María Arguedas, Mario Bellatin, o racismo de Monteiro Lobato, Marília Garcia, Ana Martins Marques e a noção de segredo, além do capítulo sobre a América Latina em “The Cambridge History of Postcolonial Literature”. Trabalha principalmente com literatura latino-americana contemporânea, desconstrução, teoria pós-colonial e a relação entre literatura e ética.

Paulo de Sousa Aguiar de Medeiros. Professor Catedrático no Department of English & Comparative Literary Studies da Universidade de Warwick (Reino Unido). Membro do projeto MEMOIRS – Filhos de Império e Pós-Memórias Europeias do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e integrante do WReC (Warwick Research Collective). Presidiu à American Portuguese Studies Association em 2013 e 2014. Tem publicado variadamente sobre teoria literária, autores de língua portuguesa, pós-colonialismo, fotografia e cinema. Em 2013 publicou Pessoa’s Geometry of the Abyss: Modernity and the Book of Disquiet (Oxford: Legenda).

Ana Mafalda Leite. Professora Doutora de Literaturas Africanas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Portugal).  Na sua actividade de investigação mais recente, coordenou o projecto “Narrativas Escritas e Visuais da Nação Pós-colonial” (CESA-FCT: PTDC/CPC-ELT/4939/2012) [2013-2015], e, actualmente, coordena o projecto “Narrativas do Oceano Índico no Espaço Lusófono” (PTDC/CPCELT/4868/2014). Apresenta uma vasta colecção de títulos académicos e de poesia publicados (cf. CV). Publicou  recentemente, na qualidade de editora, Narrating the Postcolonial Nation – Mapping Angola and Mozambique (Eds. Leite, Ana Mafalda / Owen, Hilary / Chaves, Rita / Apa, Livia).

Jessica Falconi. Pesquisadora Associada do Centro de Estudo sobre África e Desenvolvimento – CESA da Universidade de Lisboa (Portugal). Em 2018 foi professora visitante na Universitat Autònoma de Barcelona (Espanha) onde dirigiu o Centro de Língua Portuguesa/Instituto Camões. Tem participado em diversos projetos de investigação e tem publicado em revistas nacionais e internacionais na área das literaturas e dos cinemas africanos de língua portuguesa, com especial enfoque na literatura moçambicana. É também tradutora de português para italiano, tendo traduzido diversas obras literárias de língua portuguesa. 

Já passaram pelo Kaliban

Christian Rodrigues Fischgold. Professor Doutor de Literatura Comparada (Brasil-Africa) e Teoria Literária. É Pesquisador Visitante GCRF na University of Manchester School of Arts, Languages, and Cultures (2020-21 UK), com pesquisas sobre a obra de cineastas Kuikuros (Xingu). Fez Pós-doutorado em Teoria e História Literária pelo IEL (Unicamp 2019), com pesquisa sobre antropofagia e neo-animismo.

Produção acadêmica

Trabalhos selecionados dos membros do Kaliban

MELO, A. C. A formação como nacional-ocidentalização. Revista Criação & Crítica, v. 1, n. 26, p. 136-148, 9 jun. 2020. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/criacaoecritica/article/view/166230

BRUGIONI, E. Literaturas africanas comparadas: paradigmas críticos e representações em contraponto. Campinas: Editora Unicamp, 2019.

RUGGIERI, M. Ainda sobre o direito à literatura. Revista Criação & Crítica, v. 1, n. 26, p. 71-87, 9 jun. 2020. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/criacaoecritica/article/view/168080.

GALLO, F. B. G. Literatura, memória e narrativa histórica em Moçambique. Via Atlântica, n. 31, p. 249-266, 20 dez. 2017. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/viaatlantica/article/view/131981.

LOTUFO, M. F. A teoria da dependência como matriz para um diálogo latino-americano. Remate de Males, v. 36, n. 1, p. 31-50, 14 mar. 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8646451.

BIER, F. O amor no Grande Sertão: violência e utopia no anti-romance rosiano. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, v. 23, p. 259-273, 2018. Disponível em: http://seer.assis.unesp.br/index.php/miscelanea/article/view/1169.

CARDOSO, R. A questão do primitivismo e a representação dos povos indígenas em Antonio Candido. Revista Criação & Crítica, v. 1, n. 26, p. 55-70, 9 jun. 2020. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/criacaoecritica/article/view/166215.

GUIMARÃES, B. D. Cultura e consumo na formação do Brasil: um diálogo entre Gilberto Freyre e Celso Furtado. Dissertação (Mestrado). Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, 2019. Disponível em: http://143.106.10.215/handle/REPOSIP/334649.

NASCIMENTO, M. G. S. Quarto de despejo & Sala de visitas: Carolina de Jesus, intérprete do Brasil. Anais do XVI Encontro ABRALIC, 2018. Disponível em: https://abralic.org.br/anais-artigos/?id=2537.

ARDONDE, A. G. U.; ZAGO, K. P. C. Em tempos de colheita: uma leitura de Raízes do Brasil e de suas interpretações. Língua, Literatura e Ensino-ISSN 1981-6871, v. 12, p. 37-47, 2018.

WREC. Desenvolvimento combinado e desigual: Por uma nova teoria da literatura-mundial. Trad. Gabriela Beduschi Zanfelice. Campinas: Editora Unicamp, 2020.

MORAES, Anita Martins Rodrigues. Para além das palavras: representação e realidade em Antonio Candido. SciELO-Editora UNESP, 2017.

NATALI, M. P. A política da nostalgia: um estudo das formas do passado. Nankin Editorial, 2006.

MEDEIROS, P. O silêncio das sereias: ensaio sobre o livro do desassossego. Tinta da China, 2015.

LEITE, A. M. Oralidades & escritas pós-coloniais: estudos sobre literaturas africanas. Eduerj, 2012.

FALCONI, J. “Para fazer um mar”: Literatura moçambicana e oceano Índico. Diacrítica, v. 27, n. 3, p. 77-92, 2013 .  Disponível em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0807-89672013000300006&lng=pt&nrm=iso.

FISCHGOLD, C. R. Ruy Duarte de Carvalho e o paradoxo do moderno estado-nação angolano. Revista TransVersos, n. 15, p. 194-212, abr. 2019. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos/article/view/42042.

Outras produções

Podcast “É preciso descolonizar o imaginário para entender literaturas africanas”, com Elena Brugioni. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2020/06/e-preciso-descolonizar-o-imaginario-para-entender-literaturas-africanas-reflete-professora.shtml

Conversa com João Paulo Borges Coelho, escritor e historiador moçambicano. Debate com os professores Paulo de Medeiros (Universidade de Warwick) e Elena Brugioni (Universidade Estadual de Campinas). Moderação de Gabriela Beduschi Zanfelice (IEL/Unicamp). Disponível em: https://youtu.be/JbK-nKRtRqs.

Eventos

2020

5 de junho

2019

8 de maio

24 de maio

5 e 6 de setembro